O tempo passa, as gerações vão mudando e junto com as transformações em nossa sociedade a língua portuguesa, seja ela falada ou escrita, sofre mudanças significativas. Algumas palavras mudam sua forma de escrita, outras simplesmente caem em desuso e deixam de existir, ganhando uma substituta. O grande exemplo dessa história toda está nas gírias. Uma coisa é fato. O que nossos avós falavam, hoje não se fala mais. E as expressões que usamos hoje em dia serão consideradas ultrapassadas para os nossos filhos e as gerações seguintes. Assim é a língua portuguesa (e outros idiomas): dinâmica e sempre atual.

Neste post vamos resgatar o espírito de nostalgia e listar quinze palavras antigas que caíram no esquecimento do brasileiro e se tornaram apenas parte de nossa história. Confira a seleção abaixo!

Vosmecê era uma forma simplificada do pronome de tratamento Vossa Mercê, originalmente usada em Portugal para se referir a autoridades. Com o tempo, foi caindo em desuso até se chegar à forma conhecida como o popular você. Já imaginou um “Vosmecê quer ir à noite ao cinema?”

Assunar é bastante antigo e significa juntar. “Estou pensando em assunar os livros que deixei por toda a casa”.

Lero-lero (conversa fiada). “Meu primo veio falar sobre uma palestra que assistiu e me contou um monte de lero-lero”.

Borocoxô quer dizer ficar triste. “Fiquei meio borocoxô com a notícia da guerra que ouvi no noticiário agora de manhã”.

Supimpa transmite a ideia de algo bem legal. “Ontem assisti a uma peça de teatro supimpa!”

Chumbrega quer dizer coisa feia ou estranha. “Observe o vestido da comendadora, que coisa mais chumbrega”.

Casa da mãe Joana significa lugar onde todo mundo manda, sem dono. “Por favor, meu filho, arrume seu quarto. Aqui não é a casa da mãe Joana”.

Munheca, em outros tempos, era uma referência a pão-duro. “Aquele munheca tem a coragem de cobrar uma dívida de 200 cruzeiros, acredita?”

Convescote quer dizer piquenique. “Sábado levarei as crianças ao parque e faremos um convescote”.

Botica é sinônimo de farmácia. “Estou com dor de cabeça, vou até a botica comprar um remédio e já volto”.

Depós significa após. “Tenho de ir ao banco, mas só depós da consulta médica”. Muito parecido com o depois, que usamos atualmente.

Apalermado remete a bobo. “Não gosto das piadas do Francivaldo, parece um apalermado”.

Outrossim tem o mesmo efeito de também, além disso. “A Ana Cláudia está com o mapa dentro do carro, vamos segui-la. Outrossim, já esteve nessa chácara mais de uma vez”.

Pé de valsa (pessoa que dança bem). “A Alzira chamou a atenção no baile de sábado ao se revelar uma pé de valsa”.

Víspora (bingo). Refere-se ao jogo comumente praticado em quermesses e festas beneficentes. “Todo santo sábado meu tio Armando vai à festa do clube jogar víspora com os amigos”.

Relembrar palavras antigas é um exercício de curiosidade e uma forma divertida de manter viva a memória da nossa língua portuguesa. Se ficou interessado em saber mais, veja o livro “Pequeno Dicionário da Língua Morta”, do jornalista e escritor mineiro Alberto Villas, publicado pela editora Globo.

0 Comments

  • Pastores Paulo E Viviane
    Posted 27/03/2018 23:40 1Likes

    muito bom me ajudou muito na minha licao de casa

  • Áureo Vinicius
    Posted 08/04/2018 23:21 0Likes

    Pé de valsa e casa da mãe joana ainda são bem comuns. Supimpa e lero-lero ainda escuto dos mais velhos.

Leave a comment

gama-branco

A Gama! surgiu da iniciativa de profissionais do mercado de tradução que, após 10 anos de experiência na coordenação de projetos de tradução escrita e interpretação simultânea, perceberam a carência do mercado por uma agência que seguisse padrões internacionais na qualidade dos serviços prestados e no relacionamento com o cliente – não importando onde o cliente esteja.

+55 11 2081-0447

 Envie um e-mail

2023 © Gama! Traduções e Interpretações. Política de Privacidade | Termos de Uso