Escrever é uma arte. Mas também pode ser encarado como um meio de se expressar e vencer ou minimizar a dor. Ou seja, uma legítima terapia. Apoiado nessas premissas, o Museu da Língua Portuguesa lançou recentemente o projeto chamado “A palavra no agora”. 

O objetivo é ajudar as pessoas a lidarem melhor com as dores causadas a partir da pandemia do coronavírus por meio de exercícios literários. A iniciativa pode envolver tanto pessoas que estão tristes ou confusas por conta da pandemia, quanto pessoas que perderam familiares e amigos por conta da covid-19.

Leia também:

A influência africana na língua portuguesa

Veja 5 curiosidades do mandarim

As lições que aprendemos com o fortalecimento das conexões virtuais

A escrita terapia em ação

Para tanto, o projeto sugere pegar papel e caneta ou, é claro, um dispositivo eletrônico de sua preferência e responder a algumas perguntas, por exemplo: como você tem se sentido com o que está acontecendo agora?; que palavras você relaciona a esse sentimento?; se esse sentimento fosse um objeto ou uma paisagem, qual seria?; o que você gostaria que soubessem sobre o que está sentindo?

Já para os que estão em luto, o projeto sugere responder perguntas como: o que torna essa pessoa importante para você?; lembra do dia em que se conheceram?; como se sente em relação a essa pessoa no dia de hoje?; como você gostaria que essa pessoa fosse lembrada para quem não a conheceu?

Uma vez exercida a arte da escrita, e com todas as emoções colocadas para fora, o escritor ou escritora, se assim desejar, pode mandar os textos para serem publicados no site do projeto, tanto assinado, quanto com suas iniciais. Se não quiser se identificar, o conteúdo pode ser publicado até mesmo de forma anônima.

Literatura, filmes e séries como meio de auxílio

O “Palavra no Agora”, uma realização do Museu da Língua Portuguesa, tem a parceria de profissionais relacionados à área, tais como Maria Helena Franco, do Laboratório de Estudos do Luto da PUC-SP; Ivânia Jann Luna, do Laboratório de Processos Psicossociais e Clínicos no Luto da UFSC; Fabíola Mancilha Junqueira, psicóloga e arteterapeuta; Fabio de Paula, da Faculdade Cásper Líbero; e Mariana Valente, da InternetLab.

Mas, nem só de escrita vive esse projeto, que se propõe a ser adaptável, e por isso está aberto a sugestões do público. Além dos conteúdos produzidos pelas pessoas, o site conta com trechos de obras de autores consagrados como Machado de Assis, Fernando Pessoa, Lima Barreto, Eça de Queiroz, entre outros, que tratam de dor e perda. 

É um meio de buscar consolo por meio da literatura. Aqui, editoras e escritores parceiros do Museu da Língua Portuguesa vão constantemente abastecer a página.

Além disso, o site conta também resenhas de livros, filmes e séries para entreter e encorajar o público. Nesse ambiente, as pessoas podem contribuir dando as suas sugestões de arte para superar a tristeza e a dor.

Essa é mais uma prova de que a arte pode fazer enorme diferença em nossas vidas.

gama-branco

A Gama! surgiu da iniciativa de profissionais do mercado de tradução que, após 10 anos de experiência na coordenação de projetos de tradução escrita e interpretação simultânea, perceberam a carência do mercado por uma agência que seguisse padrões internacionais na qualidade dos serviços prestados e no relacionamento com o cliente – não importando onde o cliente esteja.

+55 11 2081-0447

 Envie um e-mail

2022 © Gama! Traduções e Interpretações. Política de Privacidade | Termos de Uso