O Instituto Ibero-americano de Línguas Indígenas (IIALI) abriu as portas neste mês de março na Bolívia. O objetivo do instituto é fazer frente aos desafios e ameaças que envolvem as mais de 550 línguas indígenas faladas na América Latina e no Caribe. E trabalhar na promoção, preservação, revitalização, incentivo e desenvolvimento das línguas em suas mais diferentes questões.

A abertura dos trabalhos ocorreu durante a reunião do Primeiro Conselho Intergovernamental do IIALI, que contou com representantes de Bolívia, Colômbia, México, Equador, El Salvador, Guatemala, Nicarágua, Panamá, Paraguai e Peru.

Leia também:

Parte da cultura brasileira, Tupi é encontrado no dia a dia do brasileiro

Conferência debate ampliação do português e espanhol na produção científica

Duolingo desenvolve novos recursos para ensino de idiomas não derivados do latim

Além dos países, também estavam presentes representantes do Fundo para o Desenvolvimento dos Povos Indígenas da América Latina e do Caribe (FILAC), da Secretaria-Geral Ibero-Americana (SEGIB) e da Organização dos Estados Ibero-americanos para a Educação, Ciência e Cultura (OEI).

Sede na Bolívia e primeira presidência

No encontro, foram eleitas as três primeiras presidências desta entidade, que definirá os trabalhos do IIALI, cada uma por um período de 2 anos. A Bolívia, a Colômbia e o México irão assumir a presidência desse mecanismo de governo alternadamente. A Bolívia comandará o IIALI de 2022 a 2024, seguida pela Colômbia e México.

Rogelio Mayta, ministro das Relações Exteriores do Estado Plurinacional da Bolívia, agradeceu a confiança dos membros dos demais países para a Bolívia exercer a primeira presidência e sediar a instituição.

“Agradecemos a confiança depositada em nós, embora tenhamos claro que somos uma articulação de povos, com uma visão de mundo inclusivo, e que enfrentaremos qualquer trabalho e desafio que tenhamos no futuro como fazem nossos povos originários: de forma coletiva, pensando mais em nós do que na individualidade”, afirma Mayta.

Ações culturais e linguísticas para os povos indígenas

Importante frisar que a IIALI tem o papel de conscientizar sobre a situação das línguas indígenas, assim como os direitos culturais e linguísticos dos Povos Autóctones, promovendo a transmissão, o uso, o aprendizado e a revitalização das línguas indígenas.

Outro ponto fundamental é que o Instituto pretende prestar assistência técnica na formulação e na implementação de políticas linguísticas e culturais para os povos autóctones, e facilitar a tomada de decisões sobre o uso e a força das línguas indígenas.

Vale lembrar que a Assembleia Geral das Nações Unidas proclamou a Década Internacional das Línguas Indígenas 2022-2032, com o objetivo de chamar a atenção para as questões e perdas das línguas indígenas. Outro ponto importante é a necessidade imediata de conservar, revitalizar, promover e adotar medidas urgentes dentro e fora dos países com tradições indígenas.

Leave a comment

gama-branco

A Gama! surgiu da iniciativa de profissionais do mercado de tradução que, após 10 anos de experiência na coordenação de projetos de tradução escrita e interpretação simultânea, perceberam a carência do mercado por uma agência que seguisse padrões internacionais na qualidade dos serviços prestados e no relacionamento com o cliente – não importando onde o cliente esteja.

+55 11 2081-0447

 Envie um e-mail

2023 © Gama! Traduções e Interpretações. Política de Privacidade | Termos de Uso